O Brasil em Síntese reune informações que permitem traçar um panorama nacional sob a forma de gráficos e tabelas, apresenta dados sobre território, população, educação, trabalho, habitação, agropecuária, indústria, comércio, serviços e contas nacionais.

O tema habitação investigado na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD tem por objetivo produzir informações sobre as condições de moradia da população, em termos de saneamento básico e outras características habitacionais, e, também, sobre a posse de um conjunto de bens duráveis importantes para a saúde, o acesso à informação e o nível da qualidade de vida das pessoas. Os indicadores produzidos anualmente sobre este tema permitem acompanhar a evolução das condições habitacionais da população. Em 2004, a pesquisa também foi implantada nas áreas rurais de Rondônia, Acre, Amazonas, Roraima, Pará e Amapá, alcançando a cobertura completa do território nacional.

No período de 2004 a 2014, no total de domicílios particulares permanentes, constatou-se crescimento gradual no percentual dos domicílios alugados (de 15,4%, em 2004, para 18,5%, em 2014), enquanto o dos domicílios próprios apresentou, em 2014, o mesmo percentual de 2004, 73,7%.

Em 2014, somente 0,3% dos domicílios do País ainda não dispunham de iluminação elétrica e este percentual estava em 3,2%, em 2004. O atendimento pelo serviço de coleta lixo domiciliar continuou mantendo tendência de crescimento, partindo de 84,6% dos domicílios, em 2004 e alcançando 89,8%, em 2014.

De 2013 para 2014, houve ligeira elevação no percentual de domicílios atendidos por rede geral de abastecimento (de 85,0% para 85,4%). Este percentual era de 82,1%, em 2004. No caso da parcela dos domicílios com esgotamento sanitário adequado (rede geral ou fossa séptica) houve uma expansão de 2013 para 2014 (de 76,2% para 76,8%), que decorreu da diminuição do percentual de domicílios com fossa séptica, uma vez que o percentual daqueles atendidos por rede geral de esgoto, que estava em 47,9%, em 2004, manteve trajetória de crescimento até 2013 (58,2%), tendo registrado em 2014, queda para 57,6%.

O serviço de telefonia continuou em expansão, alcançando 93,5% dos domicílios, em 2014. A tendência de crescimento do atendimento por esse serviço deveu-se à expansão da linha celular móvel. De 2004 para 2014, no total de domicílios com telefone, os que tinham somente a linha móvel cresceu de 25,2% para 60,3% e os que tinham ambas as linhas (fixo e celular) baixou de 47,9% para 37,2%, enquanto a parcela dos domicílios somente com telefone fixo caiu de 26,9% para 2,5%.

Os percentuais de domicílios com rádio e com DVD tiveram redução, de 2013 para 2014. Desde 2008, quando se começou a pesquisar a existência de DVD nos domicílios, a presença deste bem durável apresentava incremento a cada ano. A partir de 2013 foi registrada a primeira queda (de 76,0% em 2012 para 72,1% em 2013), seguida por outra queda em 2014, totalizando 68,0% dos domicílios com o aparelho. No caso do rádio, este desde 2009 já vinha perdendo participação (estando presente em 72,1% dos domicílios em 2014). O percentual de domicílios com televisão, que vinha continuamente crescendo, praticamente não apresentou alteração de 2013 para 2014 (97,1%)

Máquina de lavar roupa (58,7%) e geladeira (97,6%) foram bens que ano a ano estiveram mais presentes nos domicílios. Cabe destacar que o percentual de domicílios com microcomputador foi o que apresentou a tendência mais acelerada de crescimento, no período de 2004 a 2013, registrando pequena queda em 2014, de 48,9% para 48,5% dos domicílios. Em 2004, havia microcomputador em 16,3% dos domicílios.


© 2017 IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística